sexta-feira, julho 29, 2005

A pequena Jasmim

Era uma vez uma flor. Jasmim era o seu nome.
Destacava-se pela sua cândida brancura no meio daquele aglomerado de pétalas verde-escuras e ramos secos. Exalava um perfume adocicado, próprio das gardénias e espalhava ao seu redor a sua contagiante fragrância.

Alegre e sonhadora crescia com a fragilidade própria da sua pequenez, sonhando crescer, e crescer tanto que envolvesse e tocasse o bosque inteiro com o seu suave perfume. Queria fazer as pessoas e os animais mais felizes com o seu maravilhoso odor.

Certo dia, enquanto passeava, uma menina muito alta e de cabelo curto viu a pequena Jasmim sobressaindo como um farol reluzente, naquele monótono mar esverdeado de folhas e arbustos.
Incomodada com tal protagonismo, a menina alta de cabelo curto levantou bruscamente o seu pé e com a sola do sapato brilhante esmagou a pequena flor.

Jasmim ainda tentou gritar. Mas foi em vão. A menina alta de cabelo curto já a tinha desfeito.
Chorosa e espalhada na terra, a pequena Jasmim pensou que o seu sonho estava arruinado. Agora já não podia perfumar o bosque. Em breve secaria e morreria sozinha.

De repente, ouviu um barulho.
Era o senhor Vento. Conhecia bem a sua voz por causa das longas conversas que tinham juntos, nas noites quentes de verão.
Ele, quando viu a pequena Jasmim amachucada e ferida no chão, aproximou-se.
- Que te fizeram linda Jasmim? – Perguntou o Vento, enxugando uma lágrima da flor.
Ela lá lhe contou como a menina malvada, alta e de cabelo curto a tinha esmagado e destruído o seu sonho.

O senhor Ventou pensou, pensou, pensou e teve uma ideia.

- Pequena Jasmim – disse ele – não tenho poder para te plantar na terra para cresceres e realizares o teu sonho, mas uma coisa posso fazer-te.
- Diz, diz depressa senhor Vento.
- Posso soprar e soprar tanto, que as tuas lindas pétalas se espalhem pelo bosque inteiro, e pelo menos neste dia, tu vais realizar o teu sonho.

E assim foi.

O senhor Vento soprou com tanta, tanta, tanta força que a pequena Jasmim voou pelo bosque adentro. Enquanto voava, as suas pétalas perfumaram as árvores, os esquilos, os cogumelos e os rios. Tocaram também os espinhos, os veados, as pedras e as pessoas.

Enquanto a pequena Jasmim voava, sorria feliz. O sonho afinal de contas tinha-se realizado mais cedo do que ela esperava. Agora ela podia espalhar e exalar o doce perfume do seu sonho.

3 comentários:

jaime fernandes disse...

Gostei muito.

Dad disse...

Gostei muito da sinceridade e da poesia do teu "canto". Tem um rumo parecido aos meus. Se quiseres visita-me, quando puderes. Quando tiver agora um bocadinho vou linkar-te.
Os meus são:
http://momentosdeluar.blogspot.com/
e aí encontras um link para o meu projecto ecológico O ESPIRITO DAS ÁGUAS.

Vilma disse...

E este Jardim tem aroma ... por isso continua a espalhá-lo! :))